Obra poética de Camilo editada

A obra poética de Camilo já estava editada nas Obras Completas da Lello, publicadas sob a direcção de Justino Mendes de Almeida. Surge agora uma bela edição da poesia do autor de ‘Amor de Perdição’. Alguma datada, sentimentalista, outra reveladora de um belíssimo sonetista.
É uma antologia do Camilo poeta – a sua área menos estudada – que Ernesto Rodrigues acaba de organizar com o apoio do Centro de Literaturas de Expressão Portuguesa da Universidade de Lisboa (Fundação para a Ciência e Tecnologia). Mais completa do que as de Manuel Simões (a do poeta religioso) e de José Viale Moutinho (que não chega a ser antológica), este volume tem a utilidade de dar a conhecer uma faceta mais desconhecida do autor, cuja obra Justino Mendes de Almeida editou, na totalidade, pela mão da Lello & Irmão.
Camilo começa e fecha a obra com a poesia. Estreia-se, em 1845, com Os Pundonores Desagravados; O Juízo Final e O Sonho do Inferno (inspirado na Divina Comédia) e encerra com Nas Trevas (1890), onde se encontram alguns dos seus melhores sonetos.
“Não é de desprezar esta faceta de um autor que abre e fecha o seu caminho literário com a poesia”, diz o professor Ernesto Rodrigues, acrescentando que, “com esta, o escritor constrói uma espécie de narrativa, de épica.” Ou seja, toda a galeria de figuras que entram na ficção são esboçadas na poesia, sendo que o seu vocabulário é do mais copioso que existe.
Na opinião de Justino Mendes de Almeida, “os seus giros de locução, as suas cadências de frase, as suas formas sintáxicas, o equilíbrio e o ritmo da sua prosa têm a fluência, a harmonia e a limpidez literária das obras magistrais.” Na poesia, versos de lamento, desespero, excessivos e amortalhados, correctos, cabem ao lado da produção contemporânea ultra-romântica. Lembre-se imagens trágicas como a do coração “sepulcro vivo de dois filhos mortos”, na morte quase simultânea de dois filhos únicos de Teófilo Braga (A Maior Dor Humana), ou o poema Jorge quot ; Meu triste filho, passas vagabundo/Por sobre um grande mar calmo, profundo,/ /Sem bússola, sem norte e sem farol!”(ambos in Nas Trevas, 1887)
Na realidade, diz Ernesto Rodrigues, “a prosa vive saturada de verso” e a poesia antecipa a ficção: “Se buscamos Camilo enquanto poeta, exige-se conhecê-lo como crítico, depoente, prefaciador, antologiador, intertextualizado, leitor, em suma, dos outros, e de si mesmo, na extensão do possuidor de uma biblioteca de poesia, real e imaginária.”
Na opinião do ensaísta, “face ao ficcionista o poeta perde, mas era um belíssimo sonetista com poema raros no plano da épica paródica.” Entre esses momentos, comenta, “era criador de uma poesia sentimental hoje ultrapassada.”

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: