Vinte horas de liteira

Vinte horas de liteira, um conjunto de histórias publicadas primeiro no Comércio do Porto, contadas por Camilo e pelo interlocutor António Joaquim, que o escritor encontra numa estalagem no Marão e lhe oferece boleia para o Porto.
As histórias são narradas entre eles durante a viagem de Amarante para o Porto, em liteira e que decorre em vinte horas.
Camilo empresta a António Joaquim as críticas à sua própria obra. Coloca a questão a que escola literária Camilo pertencia, a velha discussão entre realismo e romantismo, colocando sempre Camilo narrador em posição de se justificar e defender perante António Joaquim.
Há nesta obra um exercício de exame de consciência e uma aproximação à escola realista, ou uma conversão à escola “mista”, ideia defendida pelo escritor, uma mistura de romantismo com uns pós do realismo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: