Igreja Bom Jesus do Monte em Braga (1)

A Igreja foi projetado pelo arquitecto Carlos Amarante, por encomenda do Arcebispo D. Gaspar de Bragança, para substituir uma primitiva igreja, mandada construir por D. Rodrigo de Moura Teles, que se encontrava em ruínas. As obras começaram em 1 de Junho de 1784, tendo ficado concluídas em 1811. É um dos primeiros edifícios neoclássicos em Portugal. A fachada é ladeada por duas torres e termina num frontão triangular.

Fonte: Wikipedia

“Eu tinha dez anos quando, pela primeira vez, fui ao BOM JESUS DO MONTE. Eu, com outros romeiros, vínhamos de Vigo onde nos aproara uma tormenta no alto mar. A minha criada, muito amante da vida, fizera uma promessa ao Bom Jesus; e, no cumprimento da sua palavra, de passagem para Trás-os-Montes, convidara alguns companheiros de jornada a subirem ao alto da mata para agradecerem ao miraculoso Senhor o seu salvamento. Eu, como disse, tinha dez anos, e estava também ajoelhado na capela onde se venera a imponente escultura. Enquanto os meus companheiros agradeciam com fervorosa unção o prazer da vida, recordo-me que cismava, muito em desarmonia com a acção de graças daquela gente. Pensava eu se me não teria sido muito mais benigno o Senhor do Monte, deixando-me resvalar ao abismo, amortalhado em uma das suas ondas, menos amargas que as lágrimas que eu havia de derramar em naufrágios de maiores agonias. Porque eu, aos dez anos, vinha de perder meu pai quando já não tinha mãe; saía do aconchego da casa paternal desfeito como um ninho espedaçado por um furacão; e ia para uma terra desconhecida enviado a parentes que nunca me tinham visto. Era por isso que eu, pensando na infelicidade da existência, cismava se Deus me seria mais benigno deixando-me ir procurar as almas de meu pai e de minha mãe. Há cem anos que este Senhor crucificado vê umas poucas de gerações prostradas diante do seu altar – uns a agradecer, outros a suplicar. Pois, talvez no transcurso de um século, nenhuma outra criança de dez anos repetisse, diante desta sagrada imagem, as palavras de Job: Quare de vulva eduxisti me ? – «Porque me deste o nascimento?”

Camilo Castelo Branco
In Boémia do espírito. Porto : Lello & Irmão, 1959, p. 428-429.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: