Camilo e a Química: o Amor de Perdição

Na obra mais famosa de Camilo Castelo Branco, Amor de Perdição (com o subtítulo história de uma família), escrita em cerca de quinze dias na cadeia da relação, não há referência directas à química, embora o romance seja considerando por vezes (especialmente por quem não o leu) como um paradigma da metáfora estafada da química do amor. Não é bem assim, quanto mais não fosse porque, paralelamente ao desenrolar do drama amoroso, o livro tem uma componente de romance de aventuras negro e ao mesmo tempo cómico e de crónica de costumes, mostrando com crueza as arbitrariedades das classes dominantes e as condições de vida do povo.
Também o drama amoroso do livro continua hoje em dia a ter, na minha opinião, bastante interesse. Em termos da tomada de consciência dos mecanismos químicos do amor e da atracção, as narrativas românticas vêm trazer algo de novo: a atracção amorosa é desenvolvida egocentricamente por aqueles que estão envolvidos nela, sem que esta seja provocada (aparentemente) por acções exteriores, poções, filtros ou manipulações de divindades.
Na Odisseia, Helena e Páris foram manipulados pelos deuses, sem que pudessem resistir. No Tristão e Isolda, o amor incondicional resulta de uma poção. Mesmo no Romeu e Julieta, que é por vezes comparado ao Amor de Perdição, a situação é ainda relativamente ambígua. Embora o amor de Romeu e Julieta não resulte das poções e filtros amorosos que encontramos em outras peças de Shakespeare, nem pareçam existir manipulações realizadas por divindades, Cupido é referido várias vezes. E o amor é comparado a um veneno irresisível para o qual não há tratamento. Depois dos clássicos e dos românticos, nos romances realistas e contemporâneos o amor aparece muitas vezes como resultado de circunstâncias e processos psicológicos, criando uma ilusão de verosimilhança.
Dos gregos antigos aos romances modernos, o amor não muda, mas vai mudanda a interpretação do que é a atracção amorosa. Actualmente, acreditamos que a química do cérebro e das hormonas substituiu os factores exteriores, o controlo por divindades e as poções. Continuamos, claro, a não ser totalmente livres, mas somos nós e as nossas circunstâncias que fazem a prisão em que ficamos.
A fixação amorosa de Teresa Albuquerque por Simão Botelho e deste por Teresa começaram, obviamente, como processos químicos cerebrais e hormonais. A manutenção de uma atracção amorosa duradoura entre as pessoas tem algumas semelhanças com a fixação instintiva das crias à mãe nos animais e do amor entre pais e filhos nos humanos. Para isso concorrem as hormonas ocitocina e vasopressina. Mas antes de chegar a essa fase, a atracção amorosa tem de passar por várias fases tumultuosas. Na adolescência surge o desejo por um parceiro amoroso provocado, nos homens, pela hormona testosterona, e, nas mulheres, pelo estrogénio. Depois, na presença de um parceiro desejável, a atracção, ou paixão, desenvolve-se com a ajuda dos neurotransmissores norepinefrina e feniletilamina, prolactiva e serotonina. Em particular a serotonina, hormona associada à depressão e aos mecanismos do vício, contribui para a fixação no ente amado, apresentando níveis tão baixos nos apaixonados que os aproxima dos doentes e viciados. Simão e Teresa são apresentados como muito desejáveis aos olhso um do outro, ele forte, belo e corajoso, ela bonita, elegante e delicada e simultaneamente também carentes.
Na ausência de vida social e contactos com outros jovens, um problema que a família de Teresa tenta resolver demasiado tarde, Teresa facilmente se apaixona por um rapaz galante, bonito e saudável, praticamente o único que vê como possível objecto amoroso. É também plausível que numa situação particular como a do romance, em que existe um grande desamparo e solidão de Teresa e Simão, por razões diversas (Teresa tem pais distantes e Simão acha que os pais não gostam dele), essa paixão evolua para um amor duradouro que resista a ser contrariado e leve os envolvidos a renunciar a tudo o resto. Também a fixação de Mariana se foi desenvolvendo, primeiro com a gratidão devida ao salvamento do pai, depois com a galhardia de Simão Botelho na fonte a bater nos criados e finalmente com a proximidade do jovem herói. Em termos da química amorosa não deixa de ser relevante a hesitação de Simão em relação à atitude a tomar em realção ao amor de Mariana.
Os mecanismos hormonais e a química do cérebro, que condicionam em boa parte as nossas sensações, sentimentos e atitude perante as circustâncias, têm muitas falhas que reinterpretamos para dar sentido às nossas vidas. As tragédias são simultaneamente tão comuns quanto raras. Os bons livros apresentam-nos situações que não têm de ser vulgares, mas que nos interrogam e ajudam a encontrar sentido para a existência.

SÉRGIO RODRIGUES

In Blogue De Rerum Natura

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: