Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Teses’

Camilo Castelo Branco e Joaquim Manuel de Macedo: convergências na ascensão do romance nas periferias do capitalismo
Luciene Marie Pavanelo

Tese de Doutoramento
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8156/tde-29072013-095304/pt-br.php

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar a ficção de Camilo Castelo Branco e Joaquim Manuel de Macedo, escritores muito populares em Portugal e no Brasil, respectivamente, entre as décadas de 1840 e 1880, período em que publicaram suas expressivas produções, que englobam romances, contos, poemas e peças de teatro, que foram, de certa forma, obliteradas pela historiografia literária ao longo do século XX. A fim de abranger uma parte significativa de suas produções ficcionais, foram selecionadas obras que, num primeiro momento, poderiam representar os principais subgêneros do romance oitocentista: os romances sentimentais Amor de Perdição e A Moreninha; as narrativas de viagem Vinte Horas de Liteira e A Carteira de Meu Tio; as narrativas fantásticas O Esqueleto e A Luneta Mágica; os romances históricos O Demônio do Ouro e As Mulheres de Mantilha; e os romances (pré-) naturalistas O Senhor Ministro e As Vítimas-Algozes. A partir da leitura destas obras, é possível depreender aspectos convergentes entre os autores, como a subversão de algumas convenções romanescas, a quebra de expectativas de leitura e o desvio das temáticas recorrentes e dos procedimentos narrativos mais usuais no século XIX. Sendo assim, o estudo parte da hipótese de que, por terem sido protagonistas da ascensão do romance em Portugal e no Brasil, periferias do capitalismo na expressão utilizada por Roberto Schwarz , países que, além disso, partilhavam a mesma língua e um fundo cultural comum, esses escritores compartilharam contextos socioculturais, de certa forma, similares. Se por um lado, a fim de atender ao mercado consumidor, precisavam manter os laços com a literatura em voga, por outro procuravam distanciar-se dela, num movimento de adesão e repulsa aos modelos romanescos.
Anúncios

Read Full Post »

Amores contrariados, puros e abnegados?
Dissertação de Mestrado

Autor
Unidade da USP
Imprenta São Paulo,2008
Resumo 
Partindo do enorme legado crítico acerca da obra de Camilo Castelo Branco, construído desde Teófilo Braga até a nossa contemporaneidade, o presente estudo tem como objetivo principal olhar a ficção camiliana para além do que de mais evidente há nela: as histórias de amores contrariados, puros e abnegados. Para tanto analisamos os romances Os brilhantes do brasileiro (1869) e Agulha em Palheiro (1863), buscando mostrar de que maneira o autor é capaz de conjugar, nestes exemplares, a moda literária em voga e o retrato da sociedade prosaica que observava em sua realidade imediata, um mundo longe da configuração romântica e idealizada pretendida por parte significativa desta crítica. Para além de abordar as características específicas de cada romance, tais como a estrutura narrativa, a construção de personagens, as temáticas abordadas, entre outras, procuramos, ao final do trabalho, analisar as semelhanças e diferenças entre as duas narrativas, evidenciando assim o dinamismo, a multiplicidade e, principalmente, a complexidade do escritor de São Miguel de Ceide.

Read Full Post »

A mulher na literatura portuguesa: sua imagem e seus questionamentos através do gênero epistolar
Dissertação de Mestrado

Autor
Ferreira, Carlos Aparecido (Catálogo USP)

Unidade da USP
Imprenta São Paulo,2001
Resumo 
Trabalho que tem como objetivo apontar a transformação da imagem da mulher através dos tempos, tal como tem sido representada na literatura, desde suas origens bíblicas, até o final do século XX. A análise dessa imagem feminina, em sua trajetória histórico-literária se apoiou em textos de várias épocas, começando pela Bíblia, passando pela Era Medieval (cantigas de amor e cantigas de amigo), Era Clássica (episódio de Inês de Castro, em Os Lusíadas; Carta de Guia de Casados, de Dom Francisco Manuel de Melo; e As Cartas Portuguesas, de Sóror Mariana Alcoforado), Era Romântica (as cartas entre Camilo Castelo Branco e D. Ana Plácido; e as cartas entre Simão e Teresa na obra Amor de Perdição – de Camilo Castelo Branco) e Era Contemporânea (Novas Cartas Portuguesas). Através da poesia e do gênero epistolar verifica-se uma linha horizontal a percorrer todos os períodos literários: a linha que registra a permanência da imagem da mulher-mãe e mulher-esposa, consagradas pelo sistema familiar patriarcal. Entretanto, verifica-se que, aqui e ali, surgem cortes verticais nessa linha horizontal, os quais correspondem a questionamentos femininos buscando romper a linha da tradição. A localização dessas “linhas” e “cortes” são os pontos básicos desta dissertação.

Read Full Post »

Camilo Castelo Branco: a moral a serviço das conveniências
Dissertação de Mestrado

Autor
Unidade da USP
Imprenta São Paulo,2009
Resumo
A imagem de Camilo Castelo Branco é, em geral, vinculada a romances de cariz sentimental e moralizante. Acredita-se, por vezes, que essas narrativas, supostamente ocupadas pela temática amorosa, não comportam discussões de ordem histórica, política ou filosófica. Contudo, se se observar como o romancista dialoga com as muitas teorias filosóficas e literárias formuladas no século XVIII e XIX, bem como com os eventos políticos do mesmo período, percebe-se que se trata de um escritor consciente do universo sócio-cultural do qual fazia parte. De fato, no vasto legado literário do autor de São Miguel de Ceide encontramos um retrato da sociedade oitocentista, que é analisada sobretudo no que concerne ao aspecto moral. A partir da principal instituição burguesa, a família, Camilo discorre acerca da moral, mostrando que mães, pais e filhos que segundo a ideologia dos teóricos oriundos da Revolução Francesa deveriam cumprir diferentes papéis dentro do lar, a fim de contribuir para a moralização social – aderem ou refutam os conceitos pré-estabelecidos de acordo com suas necessidades. Vê-se a mesma adaptação quando se trata dos membros da Igreja. Com efeito, os padres e freiras dos romances camilianos, normalmente, não respeitam as leis do cristianismo, nem tampouco a moral difundida pela burguesia; quando o fazem, em raras ocasiões, é somente para conseguirem benefícios individuais. Nesse sentido, Camilo Castelo Branco denuncia que, na sociedade que representa, a moral está a serviço das conveniências.

Read Full Post »

A ficção camiliana: a escrita em cena
Dissertação de Mestrado

Autor
Unidade da USP
Imprenta São Paulo,2009
Resumo 
A recepção à ficção camiliana se subsume fundamentalmente a dois operadores hermenêuticos consagrados por uma parcela significativa da crítica literária luso-brasileira: a conjunção vida/obra e o enquadramento da produção literária assinada por Camilo no Romantismo português. Por meio do estudo de dois romances camilianos, Amor de Perdição (1862) e Onde Está a Felicidade?(1856), interessa problematizar a análise da produção ficcional camiliana que se baseia nesses operadores hermenêuticos. Nesse sentido, parte-se das indagações: terá Camilo assimiliado e culminado na tradição literária portuguesa a sacralização do amor? Será Camilo essencialmente um escritor ultra-romântico, autor, sobretudo, de novelas passionais? A resposta dada a essas questões se baseou na relação entre esses textos e a vigorosa tradição literária metaficcional, fortemente enraizada nos períodos que antecedem e sucedem a atuação de Camilo como escritor. A presença dos expedientes metaficcionais em Amor de Perdição e Onde Está a Felicidade revela uma representação mimética que se desdobra em representar o mundo, particularmente o burguês, e os mecanismos que envolvem essa representação, evidenciando uma construção literária que não se limita a criar a sugestão do real, tomando também a sua problematização como eixo. O ato de criar torna-se alvo de questionamento, exigindo dos seus participantes, nomeadamente narrador/autor e leitor, novas posturas mentais em que a origem e a destinação do significado não se apresentam tranquilamente assumidas por aquele e este, respectivamente, derivando desse arranjo um texto em processo, que se constrói, que se assume como mise en scène.

Read Full Post »

A ficção camiliana para além de histórias de amor
Dissertação de Mestrado

Autor
Oliveira, Ana Luisa Patrício Campos de (Catálogo USP)
Unidade da USP

Imprenta São Paulo,2009
Resumo
O presente estudo intenciona, fundamentalmente, mostrar que a produção ficcional de Camilo Castelo Branco constitui-se enquanto um legado romanesco que ultrapassa, em muito, a mera veiculação de histórias de amor. Assim sendo, alguns aspectos e temas caros à literatura do escritor de São Miguel de Seide são tomados como pilares desta análise, tais como a presença de um Portugal imerso em relações capitalistas, próprias do período oitocentista; um ambiente propício para o interesse financeiro e o desejo de base mimética, mas infecundo a afeições abnegadas; e a marcante atuação do narrador camiliano, uma instância que não se priva de desvelar, a todo o momento, os motores vis que, consoante sua opinião, impulsionam tanto a engrenagem desta materialista sociedade portuguesa quanto as atitudes das personagens que nela estão inseridas. Por fim, vale ressaltar que o corpus selecionado para esta apreciação da obra camiliana é composto pelos romances Onde está a Felicidade? e Um Homem de Brios, ambos de 1856.

Read Full Post »

Entre o coração e o estômago: o olhar distanciado de Camilo Castelo Branco
Dissertação de Mestrado

Autor
Imprenta São Paulo,2008

Resumo 
O objetivo deste trabalho é questionar a imagem cristalizada da ficção de Camilo Castelo Branco, usualmente polarizada em passional-satírico, lágrima-riso, sério-cômico, ou, em termos camilianos, coração-estômago, procurando mostrar que romances de classificações distintas podem ter mais semelhanças do que aparentam. Para isso, analisaremos a mais famosa obra de Camilo e principal representante da chamada tendência passional, Amor de Perdição, e um dos mais importantes exemplares da tendência satírica, Coração, Cabeça e Estômago, além de uma obra menos conhecida e de definição controversa, O Que Fazem Mulheres, ressaltando neles a mistura do sério e do cômico. Assim, buscaremos enfocar no que acreditamos ser uma característica comum nos três romances: o diálogo crítico de Camilo com os discursos ideológico-culturais e literários de seu tempo, construído através da paródia e do comentário metaliterário. Dessa forma, tencionamos propor uma reflexão sobre a estética camiliana, cujos recursos literários que produzem a quebra da tensão dramática podem ser aproximados do efeito de distanciamento utilizado por Bertolt Brecht em seu teatro épico. Finalmente, é nosso intuito discutir que, devido ao seu olhar distanciado, Camilo pode ser associado à tradição da sátira menipéia, cujos meios e fins são distintos da sátira de cunho moral.

Read Full Post »

%d bloggers like this: