O Segredo de salvar-me

Quem há aí que possa o cálix De meus lábios apartar? Quem, nesta vida de penas, Poderá mudar as cenas Que ninguém pôde mudar ? Quem possui na alma o segredo De salvar-me pelo amor? Quem me dará gota de água Nesta angustiosa frágua De um deserto abrasador? Se alguém existe na terra Que tanto possa, és tu só! Tu só, mulher, que eu adoro, Quando a Deus... Continue Reading →

Anúncios

Amor infinito

Da mulher o que nos comove e enleva é a parte impoluta que ela tem do céu; é a magia que a fada exercita obedecendo a interno impulso, não sabido dela, não sabido de nós. Ali há mensagem de outras regiões; aqui, no peito arquejante, nos olhos amarados de gozozas lágrimas, há um espirar para... Continue Reading →

Amor – Crónica

«O amor é uma luz que não deixa escurecer a vida.» Assim pensava Camilo Castelo Branco, após anos de experiências exaustivas com a vida, o objecto científico dos que estudam isto de se ser humano. É sempre difícil falar de amor. Porque o perigo está em o re­duzir a uma ideia romântica ideal repetida por histórias e... Continue Reading →

Duas enfermidades

"Duas enfermidades há aí cujos sintomas não descobrem as pessoas inexpertas; uma é o amor, a outra é a ténia. Os sintomas do amor, em muitos indivíduos enfermos, confundem-se com os sintomas do idiotismo. É mister muito acume de vista e longa práctica para descriminá-los. Passa o mesmo com a ténia, lombriga por excelência. O aspecto mórbido das... Continue Reading →

Camilo e a Química: o Amor de Perdição

Na obra mais famosa de Camilo Castelo Branco, Amor de Perdição (com o subtítulo história de uma família), escrita em cerca de quinze dias na cadeia da relação, não há referência directas à química, embora o romance seja considerando por vezes (especialmente por quem não o leu) como um paradigma da metáfora estafada da química do amor. Não... Continue Reading →

Camilo íntimo 1

"Um coração é o maior tesouro do céu e da terra, o supremo poder abaixo de Deus, e tal, que, se um coração pudesse entrar no Inferno, o Inferno seria aniquilado" Camilo Castelo Branco In 'Camilo Íntimo - cartas inéditas de Camilo Castelo Branco ao Visconde de Ouguela', edição Clube do Autor  

Amores contrariados, puros e abnegados ?

Amores contrariados, puros e abnegados? Dissertação de Mestrado Autor Garcia, Juliana Yokoo (Catálogo USP) Unidade da USP Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Imprenta São Paulo,2008 Resumo  Partindo do enorme legado crítico acerca da obra de Camilo Castelo Branco, construído desde Teófilo Braga até a nossa contemporaneidade, o presente estudo tem como objetivo principal olhar a... Continue Reading →

O beijo, nas Memórias do Cárcere

Sou tão avesso, e tamanho asco tenho a beijos, como aquele frade da mesa censória, que mandava riscar beijo, e escrever ósculo. Os teólogos casuístas, e nomeadamente S. Afonso Maria de Ligório, conjuram unânimes contra o beijo, inscrevendo-o no catálogo das desonestidades. Não digo tanto. Entendo que beijo pode ser acto inocente, mas não pode ser nunca limpo e... Continue Reading →

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: